17 – UM CASO DE AMOR!



17 – UM CASO DE AMOR!



Entravamos na primavera de 2015 e em nosso escritório de investigações particulares da Baker Street, bem no coração do charmoso e elegante bairro do Tatuapé em São Paulo, a vida seguia como sempre, encerrando alguns casos como facilitação de roubo de carga e fraudes empresarias.
Época do ano em que saíamos de um inverno rigoroso, para os padrões paulistanos, e os raios de sol passavam a aquecer de vez a nossa metrópole e por mais coincidência que pareça é nesta época que as investigações de cunho amoroso se apresentam e curiosamente a que narrarei a seguir, pelas suas características, tornou-se marcante a ponto de dividirmos com vocês leitores.
O relógio marcava 10 horas e o telefone toca:
-Baker Street, Amauri falando posso ajudar?
-Bom Dia, pode sim, aqui quem fala é Nico Lopes, peguei seu contato através da internet e preciso muito dos seus serviços, observei e analisei seu perfil empresarial e é justamente o que necessito, ou seja, necessito urgentemente dos seus serviços profissionais sigilosos acima de tudo!
Marcamos um horário para a mesma manhã, esclareço que todas as vezes que somos consultados, quando um caso nos chama a atenção, tomamos a liberdade de consultar nosso cliente, neste caso pelo número de seu telefone, descobrimos que o Sr Nico Lopes é um famoso empresário do ramo financeiro, seu escritório terceiriza a contabilidade de dois dos maiores grupos varejistas de alimentação em São Paulo, um homem de 56 anos, casado e com muita influência, inclusive no meio político paulistano.
Tomei a providência de atendê-lo sozinho, pois devido a sua exigência de confidencialidade, percebi tratar-se de algo íntimo.
Na hora marcada, o interfone avisa de sua chegada, adianto-me a abro a porta, apresenta-se um homem alto, cabelos brancos, olhos azuis, de óculos, trajando roupas da moda trazendo a fronte marcada por um indecifrável e grave problema, após os cumprimentos iniciais peço que se acomode na poltrona defronte minha mesa e me relate o problema, ele deixa-se cair demonstrando o descontrole emocional que o trouxe a nós; começa a relatar o seu problema:
- Como lhe disse ao telefone meu nome é Nico Lopes, sou empresário, sou casado há mais de 30 anos, mas me envolvi com uma outra mulher de nome Patrícia, que até então trabalhava como garota de programa no bairro dos Jardins, isso há questão de dois anos, de lá para cá, ela me conquistou e eu estou perdidamente apaixonado, cheguei ao ponto de querer terminar meu casamento de 30 anos, para casar-me com ela, e é exatamente o que farei, antes contudo quero me certificar que ela me ama, que ela deixou a vida de programas e como ela promete casar e ser somente minha esposa, preciso investiga-la para saber se posso realmente investir nessa relação; as vezes estou certo disso, mas quando olho em seus olhos não é isso que vejo, tentei segui-la acompanhar seus dias, mas não consigo, o ciúmes me corrói, ao mesmo tempo o medo de perder a vida que construí ao longo de todos esses anos com minha esposa e filhas a troco de uma aventura, essa ideia também me apavora, e no ápice do meu desespero sinto que outras pessoas me seguem, me vigiam, sabem dos meus encontros e do que se passa em meu coração, ou pior ainda, dentro da minha mente. Esclareço ainda que Patrícia é uma pessoa muito espiritualizada, realiza trabalhos de magia para a sua prosperidade e também para a minha, inclusive fomos há algumas semanas em um sitio místico na região de Atibaia e através das entidades que dirigem aquele terreiro soube que ela é minha alma gêmea e que meu futuro está ao seu lado, seria isto possível? Ela é uma pessoa muito doce e amorosa sempre preocupada comigo e com minha família, compreende meu dilema e disse esperar o tempo que for; mas como posso apostar em alguém que após dois anos, ainda não conheço? Amauri você precisa me ajudar!       
Após ouvir atentamente seu problema, fiz questão de expor que esta situação de vida dupla, não poderia se perpetuar, em nosso ramo logo percebemos que a verdade sempre aparece:
 “Você pode enganar algumas pessoas o tempo todo ou todas as pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo.” Abraham Lincoln
Trabalhamos com a verdade, por isso não posso ajudá-lo, não seria justo auxiliá-lo trazendo a paz e o conforto que o conhecimento da verdade dos fatos em relação a Patrícia, se em poder desta verdade você continua espalhando a mentira à sua esposa e ao seu lar.
- Você não me entendeu – prosseguiu Nico – eu preciso dos seus serviços exatamente para saber que rumo tomar, não aguento mais esta situação, uma vez sabendo a verdade tomarei uma decisão e preciso muito que me ajude.
Vendo o sofrimento do homem a minha frente, não pude deixar de auxilia-lo, assim sugerimos que iniciássemos uma investigação realizando um dossiê da Patrícia, que envolveria toda a sua vida pregressa, afinal falávamos de uma mulher de 35 anos, que nunca se casará e não tinha filhos, vivia apenas com a sua mãe e irmãs e uma residência no bairro de Perdizes em São Paulo.
Sugerimos também que instalássemos um aparelho “rastreador portátil” em seu veículo, um carro de luxo , que o Nico lhe presenteara (não o transferindo legalmente) e ainda pudéssemos monitorar seu aparelho celular (também presente do Nico) e que era parte do seu escritório pois era vinculado ao plano de uso de uma de suas Empresas; esclareço estas atividades para reiterar que todas são de caráter legal, como o caso se apresentava de forma clara, não utilizaríamos nada que não fosse perfeitamente legal, e que no futuro jamais pudesse ser considerado quebra de sigilo pessoal.
Nico, a princípio não quis ativar o “celular espião”, segundo ele, preferia aguardar mais algum tempo.
Tratadas as formalidades legais, passamos a investigação propriamente dita, no dossiê de Patrícia nada foi apurado que a desabonasse, com seus 35 anos jamais se envolvera em processo crime ou ação civil, era formada e pós-graduada em psicologia e embora não atuasse na profissão, também não possuía trabalho fixo, dividia seu tempo em sua casa, com sua mãe e irmãs e em trabalhos esporádicos como recepcionista e modelo.
Com o passar dos dias, nada constatamos de suspeito em suas atitudes, ela frequentava shoppings centers, lojas e salões de beleza, restaurantes, casa de amigos, saia com suas irmãs e sua mãe e levava uma rotina comum; por vezes saia a noite sempre com amigos e comportava-se sempre com discrição.
Nosso seguimento era apenas interrompido, por ordem do Nico, quando ela saia com ele, questão de três vezes por semana, e diariamente quando frequentava uma igreja evangélica, nestas ocasiões chegava por volta das 20:00hs e saia sempre por volta das 23:00hs; sempre sozinha ou acompanhada por amigos.
A cronologia da nossa investigada não coincidia com um perfil comum, seus horários eram muito rígidos e os locais muito repetidos, assim achamos por bem ao entregar os relatórios dos seguimentos informar e solicitar ao Nico que ativássemos o celular espião, para checarmos mais a fundo seus contatos e ligações; e assim foi feito ele nos autorizou que iniciássemos em uma sexta-feira.
Aberto o perfil espião, constatamos que ela se comunicava com frequência pelo aplicativo de mensagens com pelo menos cinco pessoas, as quais ela possuía envolvimento amoroso, eram elas o nosso cliente Nico empresário, Fred um policial que ela tratava como “meu amor”, Gino um médico, Arthur um chefe de cozinha e dono de restaurante, João Paulo filho de um Empresário da área de Construção Civil; sendo Nico, Gino e Arthur eram casados.
Dentro desta investigação o fato que nos surpreendeu foi que ela tratava a todos como únicos, com exceção do Fred, a quem constatamos que ela amava verdadeiramente pois a ele nunca pedia nada, pelo contrário ainda o ajudava e planejava casar-se com ele, ter filhos, comprar apartamento e ter um futuro a dois. Quanto aos outros, em semelhança, todos lhe pagavam um salário mensal que variava de 2 a 5 mil mensais; suas relações eram complexas, procurarei transcrevê-las abaixo:
Nico, o empresário, saia com ele de duas a três vezes por semana, enfatizando que ele precisava ter paciência por ser casado e assim concordava com o sigilo na relação.
Gino, um médico, saia com ele duas vezes por semana, ele a pegava em casa e dormiam num luxuoso hotel, por ele ser casado utilizava o álibi de estar em plantões noturnos.
Arthur, chefe de cozinha, frequentava o shopping center onde ele possuía restaurantes, almoçavam juntos e passavam tardes em motéis sempre saindo no carro dele.
João Paulo, rapaz mais jovem com seus 20 e poucos anos e solteiro, para ele ela dizia que era casada com um marido muito mau, por isso estava se separando e seus encontros eram na igreja evangélica, ela deixava seu carro, o encontrava e saia com ele em seu carro para três horas de amor nos motéis da cidade.
Asseguro aos leitores que em todos esses anos de investigação, jamais nos deparamos com casos semelhantes, pois todos eles eram recheados de declarações amorosas, vídeos picantes, para termos uma ideia do que descobrimos nos aplicativos de mensagens, ela conversava com vários deles juntos, declarando-se saudosa e apaixonada por todos eles, cobrando encontros e distribuindo atenções.
Após a conclusão do caso, chamamos nosso cliente Nico para a entrega das nossas conclusões.
Na hora aprazada o recebemos em nosso escritório da Baker Street para a entrega dos fatos apurados.
Ao apresentarmos nossas conclusões ao nosso cliente, este como que já esperasse os acontecimentos, apenas comoveu-se, como se o sonho de mudar a sua vida, caísse por terra, sua amada, não era quem ele pensava ser, apoiou-se as mãos e chorou copiosamente feito uma criança; em sua frente via os seus sonhos de um novo lar, um novo rumo a sua vida, desfalecer-se frente aos acontecimentos relatados.
Desmanchamos a operação, retirando o rastreador, o aplicativo e tudo o que nos serviu de instrumento para a investigação e demos por finda a operação.
Conversando ainda com nosso cliente Nico, ele ainda nos asseverou que prosseguiria com os encontros, pois em “não mandava no coração”.
O futuro destas pessoas envolvidas, ninguém pôde prever, contudo como todas estas relações estavam embasadas em mentiras e desejos, sabemos que não há futuro, apenas o rascunho de um homem poderoso a lamentar as suas escolhas.
Quanto à Patrícia, nossa investigada e psicóloga, com certeza ela atraía os homens e visava somente o lucro pessoal, ou ainda o prazer de tê-los em suas mãos, nunca saberemos ao certo.  
“O que dá ao homem um mínimo de unidade interior é a soma de suas obsessões” – Nelson Rodrigues.

 FIM... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1 -UMA HISTÓRIA REAL ...SOBRE A MALDADE HUMANA.

30 – ADULTÉRIO - MAIS UM CASO!