27 - CLIENTE DO MAL EM MAIS UM SERVIÇO –



27 - CLIENTE DO MAL EM MAIS UM SERVIÇO –



Em nossa cruzada pela verdade e pela justiça, resolvemos compartilhar um caso com os amigos e leitores que retrata uma "dura" realidade da vida, mais que também por um lado serve-nos de lição e aprendizado,
ESCLARECENDO QUE SE TRATA DE UMA HISTÓRIA MERAMENTE ILUSTRATIVA, SEUS PERSONAGENS SÃO FICTÍCIOS E PARA NÓS O QUE VALE É A REALIDADE QUE ELA EXPRESSA, eis a história:
Sexta Feira, uma tarde que coroava uma semana de intensas atividades, onde além dos atendimentos cotidianos resolvemos uma "fraude" contra uma importante companhia de seguros, já passávamos das 15:00hs, quando toca o telefone na Baker Street:
-Boa Tarde - anunciava uma voz grave e envelhecida - meu nome é Dr. Jacinto sou advogado e procuro um detetive para um caso "de família"; de um dos meus clientes, tenho muita urgência, seria possível que iniciassem seus serviços imediatamente?
-Boa Tarde - respondi - caro Dr. agradecemos seu contato, e antes de mais nada; esclarecemos que cada "caso" para a nossa agência é único, e merece o melhor de nossas análises e considerações, isso tudo leva tempo, precisamos, antes de mais nada, nos reunirmos e discutirmos o "problema" para chegarmos a um entendimento adequado.
-Temos urgência, podem me receber imediatamente? - Disse o advogado.
-Se o caso é urgente o aguardaremos em nosso escritório, em seguida.
-Estou a caminho - disse encerrando o diálogo.
Casos assim, não são comuns, pois em termos de investigação, a verdade dos fatos é que tem maior significância, e esta não se modifica com o correr do tempo, às vezes toma sentido de acordo com a ótica observada, mas mesmo assim, jamais pode esconder a verdade dos fatos.
Em cerca de minutos tocam a campainha, a recepção anuncia a chegada do cliente que adentra o nosso escritório, um homem de uns 55 anos, barba grisalha, terno e gravata amassados demonstrando um certo desleixo e de forma muito apressada, abraçado a uma pasta com muitas folhas, até certo ponto amassadas, para a nossa frente e apresenta-se:
-Boa tarde, meu nome é Dr. Jacinto, sou advogado, e preciso dos seus serviços para um caso especial de um dos meus clientes!
-Boa tarde, prezado Dr. Jacinto; deixe-nos ver, o Dr possui um escritório no bairro Vila Matilde, próximo a Estação de Trem, representa um cliente que está separado do cônjuge, precisa demonstrar "desvio de conduta" do(a) mesmo(a) a fim de substanciar o pedido de guarda dos filhos, este cliente mora no meu bairro,  você já perdeu o prazo combinado com o cliente, já contratou outros detetives que não lhe prestaram as informações satisfatórias e por isso deseja que acompanhemos o (a) averiguado (o) registrando assim os possíveis desvios de conduta !
-Incrível! - Respondeu ele - exatamente, muito me admira suas conclusões, mais sou um profissional muito prático e objetivo, preciso que comece hoje e ao término de uma semana me apresente "os fatos" que me darão base para o ingresso desta "ação", afinal dinheiro não nos é problema, meu cliente tem posses e poderá pagar o que você pedir!
-Doutor; deixe-nos explicar algumas coisas em termos de investigação particular, precisamos antes de mais nada, saber o panorama geral que envolve a vida e as intenções dos nossos clientes, para só então podermos auxiliá-los, quanto aos nossos honorários; não cobramos pela necessidade ou posse dos nossos clientes, apenas cobramos pelo trabalho profissional que exercemos, sempre de forma justa e equilibrando ganhos e despesas, gostaria que descrevesse com detalhes o caso a ser investigado.
-Meu cliente, chama-se Carlos é um respeitável empresário de cerca de 55 anos, contraiu um segundo matrimonio com uma mulher de nome Lia, cerca de 20 anos mais jovem, com ela tiveram 3 filhos, de 10, 9 e 3 anos, que moram com a mãe, após uma tumultuada separação, da qual meu cliente gentilmente cedeu a ex-esposa uma considerável pensão e um apartamento luxuoso no qual ela reside com as crianças desde então.
Nesta confusa e conturbada separação, a Lia contratou um advogado da pior espécie que a tem orientado a inclusive relatar através de Boletins Policiais algumas dos "enganos" cometidos pelo meu cliente, dificultando assim um acordo justo que nos permitisse a participação efetiva deste pai tão zelosos na criação dos seus filhos queridos.
Assim sendo, queremos que a "acompanhe" e nos relate todos os seus excessos, pois temos a informação que ela constantemente "abandona" os filhos com as empregadas em sua residência e frequenta "baladas" noturnas pela capital paulista esbanjando o dinheiro do nosso cliente e relegando a educação dos filhos, inclusive com um "novo" namorado, gente da pior espécie.
Diante do exposto, decidimos aceitar o caso com a condição de termos mais pelo menos 03 dias, para os levantamentos preliminares donde, saberíamos exatamente as pessoas com as quais estaríamos lidando antes de iniciarmos o seguimento propriamente dito, nestes levantamentos incluíram-se perfis sociais, econômicos , de comportamento e até criminais dos envolvidos, combinados os detalhes da contratação com a saída do cliente,  minha assistente Miriam quis que eu explicasse como deduzi os detalhes do cliente que explanamos em sua chegada e assim passei a descrevê-lo:
-Muito simples, Miriam o cliente Dr. Jacinto, pelo que observamos é um advogado genérico, ou seja, pela sua falta de informação quanto ao andamento processual não é especialista em "família", e trabalha sozinho pelo seu cartão de visitas, ao marcar a hora da reunião pude ouvir ao fundo do seu escritório um barulho inconfundível da estação de trem , a única estação a cerca de 15 minutos daqui é a de Vila Matilde, e ao marcar a consulta pesquisei-o rapidamente pelo seu número de contato e cheguei ao endereço do seu escritório, contratou outros detetives pois mesmo sem os detalhes do "caso" não discutiu preço e fez questão de contratar o serviço em seu nome; omitindo o cliente da transação comercial, tem muita pressa na conclusão do serviço e disso temos de ter muito cuidado, pois denota não ser de muita confiança ao falar "mal" do profissional contratado pela outra parte, que logicamente procuraria os interesses de sua cliente, então vamos ao caso.
Efetuamos os levantamentos preliminares e não apuramos nada de "errado" ou "anormal" no comportamento das partes envolvidas, a não ser ressaltar que a dissolução do casamento do cliente deu-se em meio à turbulência e violência doméstica, por parte do nosso cliente, o que lhe prejudicou na decisão da Justiça pela guarda compartilhada, prosseguimos assim no "acompanhamento" propriamente dito.
Dentre a semana que acompanhamos a nossa "averiguada", nenhuma atitude de desleixo ou abandono do lar, foi constatada, em dez dias de acompanhamento (inclusive finais de semana) apuramos apenas a rotina de uma pessoa normal, que acabara um relacionamento e iniciara outro (tomamos a liberdade de investigar também está pessoa e nada encontramos que a desabonasse), indo a festas e restaurantes e inclusive dividindo bons momentos com os amigos expondo-os nas redes sociais, sinal que nada teria a esconder, acompanhava os filhos à escola e tudo sempre com muita atenção.
Como consta em nosso lema "AFIRMAN´S PROBATE"- Quem afirma tem de provar! através de fatos e detalhes reportamos tudo isso ao nosso cliente e para nossa surpresa no dia aprazado para a reunião:
Fomos recebidos pelo Dr Jacinto de forma ríspida, e ao apresentar a verdade dos fatos ele nos interpelou:
-Não foi para isso que pagamos "esta fortuna" a vocês; queremos que nos mostrem ela "saindo' e gastando todo o dinheiro do meu cliente, queremos que nos mostre ela negligenciando os filhos para que possamos obter de uma vez por toda a guarda das crianças, é isso que precisamos, não estamos satisfeitos com o serviço de vocês, vocês têm de me "dar" aquilo que preciso, "custe o que custar" quero vídeos e fotos editados comprovando as atitudes dela! O nosso cliente é muito rico e não economizará em recompensas, ele para nós seria a "galinha dos ovos de ouro".
-Desculpe, não sabemos que tipo de profissionais pessoas como o Sr. Doutor, está habituado a lidar, tenho a dizer que o nosso serviço está pautado na verdade, ou seja, provamos tudo aquilo que afirmamos e passamos neste instante as suas mãos, uma pasta que relata com detalhes tudo isso que ora concluímos, se o Sr. Doutor não gostou, sugerimos que a partir de agora faça uma reflexão em suas atitudes e procure um PSICOLOGO ou PSIQUIATRA que possam tratar seu desvio de comportamento ou sua maneira de lidar com as adversidades de vosso caráter.
Dito isto, levantei-me da cadeira e saí imediatamente daquele escritório "sujo", onde seu proprietário continuava vociferando impropérios contra nós, ameaçando-nos processar por serviço mal executado, tentando encontrar minucias em nosso contrato de serviços.
Saímos imaginando como um Sr. desta categoria considera-se ADVOGADO, querendo manipular a vida das pessoas por dinheiro, neste caso, colocando o dinheiro acima da integridade de uma família inteira.
Bem para nós, mais um caso encerrado; e dele aprendemos que como disse um amigo uma certa vez “podemos esquecer nomes e datas, contudo jamais esqueceremos como certas pessoas nos fizeram sentir” , e até mesmo uma certa tristeza em saber e constatar a existência de profissionais deste nível.
Seguimos trabalhando.

FIM.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1 -UMA HISTÓRIA REAL ...SOBRE A MALDADE HUMANA.

30 – ADULTÉRIO - MAIS UM CASO!