25 - VERDADE DOS FATOS.



25 - VERDADE DOS FATOS.



Mais um dia de trabalho no escritório da Baker Street, bem aqui no Tatuapé em São Paulo.
Como sempre um calor infernal em São Paulo, alguns dizem que nossa capital, nestes dias havia se transformado em uma sucursal do inferno, tínhamos os termômetros atingindo aos 35 graus e o sol a pique.
Toca o telefone e atendemos:
-Bom Dia ... agência Baker Street!
-Bom Dia é da agência de detetives? - Pergunta uma voz feminina aparentando seus quarenta e poucos anos.
-Sim - respondi em que podemos ajudá-la?
-Meu nome é Clarice e estou com um problema muito grave com meu marido, preciso dos seus serviços.
Assim marcamos um horário para a tarde do mesmo dia e pontualmente às 15 horas toca o interfone e liberando a entrada sobe as escadas e adentra ao nosso escritório uma senhora aparentando 45 anos, cabelos escuros, muito bonita trajando elegante conjunto sóbrio usando óculos escuros que pediu licença e foi sentando em nossa mesa de reunião.
Nos apresentamos e pedi que iniciasse a sua narrativa dos seus problemas:
-Boa Tarde, como já disse ao telefone meu nome é Clarice e preciso dos seus serviços, meu marido chama-se Marcelo, somos casados há 25 anos e possuímos uma Empresa de Investimento na qual trabalhamos juntos e somos sócios, temos um casal de filhos com 23 e 25 anos que residem comigo uma vez que ele há questão de 3 meses pediu a separação, saiu de casa e não me informou seu novo endereço, não tem vindo trabalhar, desconfiou até que ele deva estar trabalhando em um escritório concorrente, assim quero que vocês o sigam e descubram seu endereço, mais acima de tudo com quem ele está se relacionando, quero que o "maldito" me pague tudo que ele fez contra mim , a sua traição "não deixarei" barato.
-Compreendo suas razões. - Respondi - contudo qual o motivo pelo qual ele não lhe forneceu o endereço e não lhe disse se possuía outro relacionamento uma vez que estão separados?
- Nossa relação sempre foi muito conturbada, e o nosso rompimento foi marcado por um desentendimento em uma noite que estávamos a sós, e quando ele disse que me deixaria eu apanhei uma faca e tentei matá-lo, em minha cabeça logo em seguida daria cabo também de minha própria vida!
Mais isso ocorreu em um momento de desespero, não vai mais se repetir, pelo menos não desta maneira.
Você pode me ajudar, garanto que dinheiro não será problema! - Tentei acalmá-la e explicar que o encontrar, e a quem ele se relacionava neste momento não seria bom, nem para ela e nem para a sua família e que na verdade ela não precisava de um detetive particular, seria melhor ela dar um "tempo ao tempo" e que a verdade que ela buscava apareceria cedo ou tarde, cabendo somente a ela, de qualquer forma, traçar seus destinos e de toda a sua família.
Claro que tudo isso foi explicado num intervalo de mais de duas horas e que acabou, pelo menos neste momento, com a compreensão da Sra. Clarice.
Evidentemente recusamos o trabalho proposto pois não faria bem a cliente a informação que ela buscava num momento tão aflitivo de sua vida. Tivemos a sensibilidade de recusar o caso, sem ferir, claro que constatamos o seu ex-marido e o auxiliamos em relação a Clarice, sem que ela percebesse nossa interação.
Esclarecemos todas as consequências legais e morais da sua atitude desesperada e compulsiva.
Alguns amigos podem nos questionar, que se com esta atitude "não perdemos um cliente”, digo que não, apenas ganhamos uma amiga.
No auge do seu desespero com certeza ela tomaria alguma atitude que resultaria em um crime passional anunciado.
Assim prosseguem os dias na Baker Street.


FIM.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1 -UMA HISTÓRIA REAL ...SOBRE A MALDADE HUMANA.

30 – ADULTÉRIO - MAIS UM CASO!