29 - CASO DE INFIDELIDADE SUPOSTA.


29 - CASO DE INFIDELIDADE SUPOSTA.


Sexta a tarde, uma tarde quente na cidade de São Paulo, no escritório toca o telefone:
-Baker Street, boa tarde, posso ajudá-lo?
-Boa Tarde, quem fala é o Cezar e preciso de informações sobre seus serviços, adianto que meu caso é urgente pois acho que estou enlouquecendo, perdendo a minha sanidade, preciso de auxílio!
Diante da conversa marcamos imediatamente uma reunião, desta feita, em um Shopping aqui próximo, pois este cliente encontrava-se em horário de trabalho e tinha urgência nas orientações sobre suas suspeitas.
Quinze horas, estávamos eu e minha assistente Miriam em um Café, que fora o local marcado para o encontro, quando aproxima-se um rapaz de aproximadamente 30 anos, branco magro e trajando roupas que o descreviam como Gerente de uma loja de Departamentos (claro que usava também o crachá da referida loja), apresentamo-nos e ele passou a descrever o "problema":
-Sou casado com a Glauce há doze anos, ela tem 26 anos, e temos uma filhinha de 8 anos de nome Meire; a Glauce trabalha na região da Avenida Paulista durante o horário comercial e eu desconfio que ela me trai com um colega de trabalho, ela trabalha na mesma empresa há mais de 10 anos, e de algum tempo para cá, tenho a informação pela minha família que ela chega muito tarde em casa todos os dias, sempre poucos minutos antes de eu chegar (chego sempre por volta das 22:00hs), indagada a respeito ela fala dos problemas do transito e de afazeres como compras e passeios uma vez que utiliza-se diariamente do transporte coletivo.
Contratei uma agencia de investigação particular ali no centro de São Paulo para segui-la por alguns dias e foi aí que começou minhas aflições, os profissionais me relataram que ela sai do trabalho sempre no horário certo, por vezes acompanhada de amigas e do amigo de quem desconfio , até mesmo abraçada e de mãos dadas, contudo ele vai para o estacionamento e ela com as amigas seguem para o terminal de metrô, embarca até a estação que por fim é anexa a um Shopping Center e toma o coletivo para nossa casa , contudo nas ocasiões relatadas ou o agente a perdeu no Shopping ou no embarque do coletivo e em todas as ocasiões ela demorou uma ou duas horas a mais do tempo que julgo normal para chegar em casa, portanto minhas aflições residem justamente no tempo decorrido, saber onde ela estava e com quem?
Está dúvida tem corroído meus dias e meu relacionamento, estamos a ponto de nos separar, ela jura amor e diz que é minha imaginação eu estou a ponto de enlouquecer, preciso muito de suas orientações!
Analisando o exposto chegamos à conclusão que o seguimento realizado pelo colega, não foi indicado para este caso, uma vez que as imagens e o problema como um "todo" somente aumentariam a expectativa do cliente fazendo-o enxergar "problema" na mais ínfima atitude como regulagem de horários e deslocamentos, observar supostas alterações ou até mesmo atitudes em seu "trato pessoal" como embelezar-se e valer-se de recursos sadios que elevam a autoestima e a alegria da vida.
Assim, sugerimos que utilizássemos um aplicativo que designamos como CELULAR ESPIÃO, que através do qual ele poderia acompanhar de forma secreta as movimentações, bem como as ligações  e mensagens do celular da sua esposa, recurso que é utilizado para quem, como o Cezar, quer saber a "verdade" sobre o comportamento e atitudes, não queremos entrar no mérito da questão de sua utilização como CONFIANÇA e CUMPLICIDADE que deve existir em todo o relacionamento, mais neste caso o enxergamos que como um remédio amargo e necessário para "corrigir" a situação gerada pelo mau profissional que o havia "auxiliado" anteriormente.
Cezar nos trouxe imediatamente o celular da Glauce e instalamos o referido aplicativo e o orientamos a sua forma de utilização via web, neste caso embora possamos auxiliar neste monitoramento, preferimos que ele seja realizado pelo próprio cliente que conhece a rotina e pode detectar as anormalidades em sua utilização.
Passados dois meses de utilização, fomos procurados pelo Cezar para "agradecer" a orientação e conselhos, pois monitorou os passos da sua esposa e descobriu que ela não "o traia", simplesmente ela tem um jeito muito espontâneo quer com o amigo do trabalho ou as suas amigas, quando sai do trabalho faz passeios ou atividades que não constituem "traição ou relacionamento amoroso" e sabedor destas verdades pode enfim abandonar a "paranoia" da sensação de estar sendo enganado e reajustar sua própria visão com relação ao seu relacionamento e à sua vida.
Pediu informações para desinstalar o referido aplicativo, pois neste caso, já havia sanado todas às suas dúvidas.
Mudou seu comportamento e estava enxergando a vida, como ela deve ser vivida, sem medo ou paranoias.
Mais um "caso" e mais uma lição para que as pessoas saibam que as situações ocorrem em nossa vida para que nos tornemos responsáveis pela condução do leme dos nossos DESTINOS.


Fim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1 -UMA HISTÓRIA REAL ...SOBRE A MALDADE HUMANA.